Primazia

Primazia
Consultoria

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Mudança de Cabeça

Para se tornar um líder, é necessária uma mudança de mentalidade. Ou seja, mudar de cabeça de funcionário para cabeça de empresa. Vou lhe explicar melhor. Um funcionário tem uma visão que se limita a sua função diária, já um líder precisa ter uma visão do todo, ou seja, desde as compras de mercadorias até a limpeza da loja para o início do dia de trabalho. Aí está a complexidade.
            Esta mudança para uns não é fácil, e é por isso que muitos candidatos fracassam nesta empreitada. Para mudar de mentalidade, é preciso antes de tudo,  força de vontade. Muitos estão tão tomados por hábitos que anteriormente faziam parte de seu ciclo de relacionamento. Que não enxergam o novo cenário que tomou conta de sua vida.
            Pensem em quantas rodas de bate papo foram criadas para o falar mal. E detalhe, tendo como centro, “a empresa”. Mas não tem jeito, fala-se uns dos outros. Cafés regados a papo alheio. Se o assunto é verídico ou não, é outra história, mas que o negativo toma conta, não tenha dúvidas.      É esquecido que quem faz a empresa é o próprio funcionário, com sua atitude perante cada acontecimento.  Ao final de tudo isto, se não tomado uma atitude positiva, o resultado e devastador para a empresa. Fica uma brincadeira de faz de conta, onde o funcionário faz de conta que ele pensa na empresa e a empresa fica pensando que um dia tudo vai mudar.  Resumindo, um cenário que não é bom para ninguém.  

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Fortaleça sua Equipe de Trabalho

       No desempenho de minha profissão de consultor, tenho observado uma concorrência cada vez mais acentuada. E percebo que a utilização de tecnologias, que eram as grandes responsáveis pelo fortalecimento das empresas diante de seus concorrentes, está cada vez mais acessível. Dessa forma, vejo que o verdadeiro diferencial são os serviços prestados pelos nossos colaboradores junto ao mercado. Cada contato com o mercado seja por telefone ou e-mail, ou por outro meio de comunicação, contribui para a formação da imagem de nossa empresa. Muitas vezes não nos damos conta que fatos simples, como um mero atender de telefone, pode fazer um grande estrago.  Imagine quantas vezes nossos telefones tocam durante o dia, e a quantidade de e-mails que recebemos, através de nossos dispositivos tecnológicos. À medida que estes contatos acontecem os envolvidos nesta ação participam da construção da imagem da empresa. Mas imagine se todos os dias clientes terminem os contatos com percepções negativas. Imagine isto por meses e anos. Já parou para pensar? A construção da imagem positiva de uma empresa leva tempo, e, para a mantermos positiva requer esforço e dedicação de todos aqueles que fazem parte dela. Muitas vezes, quando em consultoria, digo a meus clientes, quer ser forte no mercado altamente competitivo? Não meça esforços no fortalecimento da equipe de trabalho. Não há outra forma, temos que investir cada vez mais em nossos colaboradores. Seja pela contratação de um profissional  qualificado, este está escasso, ou pelo investimento maciço na formação de nossos colaboradores.  Levar até eles várias formas de conscientização de que o sucesso da empresa depende de todos. Não importa a função que tenha, seja a moça do cafezinho ou o dono do negócio, todos são responsáveis, dentro de suas funções, de buscarem o melhor de seu trabalho para que este chegue até o mercado fortalecendo a marca sob o qual sua empresa está representada. Dessa forma estaremos mais perto, do tão desejado sucesso. Acredito que estas palavras sirvam para atentarmos quanto ao assunto aqui apresentado. Faça sua empresa ser cada vez mais competitiva. Pense no assunto.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Trabalho em Equipe

O psicólogo Abraham Maslow constatou que os indivíduos têm diversas necessidades, com diferentes forças. Sabemos que necessitamos de alimento, de abrigo, pagar nossas contas, de segurança no emprego, etc., mas também de nos relacionar com os outros e de sermos aceitos por eles. Sem isso nosso trabalho se torna enfadonho e sem graça.

Trabalhar em equipe é mais divertido do que trabalhar individualmente, o que pode contribuir para melhorar nosso desempenho.

Há... coisas na terra que são pequenas, mas extremamente sábias: as formigas, criaturas sem força, todavia no verão preparam a sua comida... os gafanhotos não tem rei, porém todos saem, e em bandos se repartem (Provérbios 30:24-27).

Quando falamos em trabalho em equipe, logo nos lembramos das formigas e dos gafanhotos, seres tão pequenos, mas que dão um grande exemplo de união, força e auto-gerenciamento.

As primeiras têm um líder, vivem numa sociedade eficazmente organizada e não precisam receber ordens para executar seu trabalho. Você já viu de perto um formigueiro? Já notou como elas andam em fileiras e sincronia perfeitas e preparam seu alimento no verão para os dias de chuva, quando não podem trabalhar? Já os gafanhotos não têm um líder, porém sabem o que devem fazer exatamente.


Mas o que é trabalho em equipe?


Suponha que você e mais duas pessoas estão trabalhando em uma plantação de feijão, onde cada um ganha o salário correspondente ao seu dia de trabalho. O trabalho funciona da seguinte maneira: em fila, você cava o buraco, o segundo joga a semente e o terceiro integrante tapa o buraco. Cada integrante deste grupo se preocupa apenas em realizar a sua tarefa, nada entendendo da importância do trabalho dos outros, “é cada um por si”.

Um certo dia o segundo membro da equipe faltou ao trabalho por motivo de saúde, porém a atividade continuou, pois cada um recebia o salário correspondente ao seu dia de trabalho e eles sabiam muito bem qual era sua responsabilidade, sem a necessidade de um líder para orientá-los. Você cavava o buraco, o segundo não jogou a semente (pois havia faltado), mas o terceiro tapava o buraco e assim prossegue o dia inteiro...

Muitas pessoas, que atuam em diversas organizações, estão trabalhando em grupo e não em equipe, como se estivessem em uma linha de produção, onde o trabalho é individual e cada um se preocupa em realizar apenas sua tarefa e pronto. No trabalho em equipe, cada membro sabe o que os outros estão fazendo e sua importância para o sucesso da tarefa. Eles têm objetivos comuns e desenvolvem metas coletivas que tendem a ir além daquilo que foi determinado. Se no exemplo anterior você e os demais integrantes do grupo trabalhassem como equipe, conhecendo a importância do trabalho de cada membro, tendo uma visão e objetivos comuns, certamente vocês diriam: “nosso colega faltou, vamos ter que substituí-lo ou mudar o modo como estamos plantando, se não nosso trabalho será improdutivo”.

Pense nisso!

Abraços,

Professor Carlos Alberto de Oliveira

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Quatro dicas para acabar com grandes matadores da produtividade (Por Raul Candeloro)


Caros amigos, recebi da Venda Mais estas dicas fantásticas sobre os grandes matadores de produtividade. E por isso, postei para que vocês também tivessem acesso, e assim, aplicar no seu dia a dia . Acredito que vai lhes ajudar bastante quanto ao assunto.  Abraços do Professor Carlos Alberto de Oliveira.

Quatro dicas para acabar com grandes matadores da produtividade

Não saber dizer não: não foram poucas as pessoas que disseram que sofrem com interrupções desnecessárias, tarefas urgentes que surgem aos 48 minutos do segundo tempo e reuniões sem hora marcada. É uma triste questão cultural nas empresas brasileiras. A solução para esse problema passa, sobretudo, pela sua atitude de ter pulso firme para dizer não e cobrar uma rotina mais organizada por parte do seu líder.

Ser multitarefa: outro problema campeão nos depoimentos. O que mais eu questiono a respeito disso é: se você sabe que priorizar diferentes tarefas ao mesmo tempo é altamente improdutivo, por que continua fazendo isso? A solução mais prática que eu posso te dar é: use uma agenda para organizar seu dia e planeje suas atividades no dia anterior, organizando-as no decorrer do dia. Ex: 9h às 10h - responder e-mails; 10h às 11h30 – fechar relatório de
visitas. E assim por diante.

Dependência de terceiros: muitos leitores se queixaram que a sua má produtividade está atrelada à demora de outros departamentos da empresa que trabalham em conjunto. De novo, quanto a isso vale uma cobrança na liderança para que todos falem a mesma língua e estejam comprometidos com os prazos. Se os processos atrasam, obviamente isso está errado e, cedo ou tarde, vai gerar um problema gigante.

Falta de foco: uma resposta um tanto genérica, mas que se repetiu dezenas de vezes. A falta de foco é causada por três fatores:

1 - Insatisfação com o trabalho - quando não se gosta do que faz é naturalmente difícil se concentrar em alguma atividade. Se for o seu caso, não seria o momento de buscar outra colocação no mercado?

2 - Desorganização pessoal – se você não conta com uma ferramenta para ajudá-lo a manter as atividades sobre controle, será impossível se manter focado e ter o controle do seu ambiente. Uma boa agenda pode fazer toda a diferença, mas até um pedaço de papel pode servir como ponto de partida.

3 - Falhas de liderança – Uma das dores do crescimento que vejo em muitas empresas é o descaso na adequação da equipe às novas demandas de trabalho. Com o faturamento subindo é natural que a carga de trabalho aumente e a mesma equipe absorva “n” atividades que até então não desempenhava. Se esse for o seu caso, uma conversa franca com o líder é a melhor alternativa.

E aí, se identificou com alguma delas? Espero que as dicas te ajudem de alguma forma .

Nos próximos dias continuamos essa conversa, combinado?
 
Raul Candeloro

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

MAIS DICAS DE TELEMARKETING (Como receber uma chamada)

Recebendo uma Chamada

 Você deverá utilizar-se de um conjunto de técnicas tanto para fazer como para receber uma chamada.
Anteriormente passamos algumas informações básicas necessárias para você fazer uma chamada, associe-as a lista abaixo + o bom senso e você estará mais seguro quanto à qualidade de sua comunicação.
Como você não sabe quem está chamando ao tocar o telefone, lembre-se de que o modo como atenderá é muito importante.
Se a maioria das chamadas que você recebe são internas, então você poderá ficar mais tranqüilo, mas se a maioria das chamadas que você recebe são de clientes, então vejamos algumas regras básicas:

    • Responder prontamente
    • Identificar-se (pode ser suficiente dizer seu nome, nome completo, anteceder de uma saudação – bom dia – ou ... bom dia, aqui é João Costa, departamento comercial, ou função)...
    • Segurar o telefone corretamente – óbvio, mas realmente pode prejudicar a audição se o fone estiver apertado sob o queixo ou desviado para o lado enquanto você se estica para pegar alguma coisa.
    • Decidir se aceita ou não a chamada – quando for uma chamada de cliente, aceitar imediatamente, se for de um colega que queira apenas conversar e você está ocupado, o melhor é pedir para ligar mais tarde (mas deverá ser explicado e feito prontamente ex. estou terminando um trabalho importante, ligarei para você daqui a meia hora, pode ser assim?)
    • Utilize-se de um tom agradável, franco (evite ser excessivamente familiar, principalmente com clientes).
    • Fale claramente e um pouco mais devagar do que de costume, evitando falar à toa, mantendo suas idéias claras e organizadas.
    • Feedback ao interlocutor – dê sinais de tempos em tempos de que você está entendendo. (Entendido, você quer uma relação de .....).
    • Cuidado com as pausas – Se você diz, espere um minuto que vou pegar o relatório anterior, lembre-se de que uma pausa parecerá muito longa para a pessoa que está esperando. Se você acredita que irá demorar um pouco mais, avise que você ligará mais tarde quando estiver com as informações necessárias.
    • Mas procure ter à mão as informações mais solicitadas
    • Seja cuidadoso com os nomes – tenha certeza de que você entendeu corretamente o nome da pessoa e da empresa, se necessário, peça para soletrar para você.
    • Se a ligação estiver ruim, peça para chamar novamente, se for cliente, confirme em qual número de telefone ele se encontra e ligue novamente (algumas vezes as ligações via telefones celulares fica prejudicada).
    • Quando se tratar de cliente, desligue por último, evitando que ele tenha a impressão de que foi “despachado”.
 Anotar Recados

Em muitas ocasiões, estaremos recebendo ligações que se destinavam a outras pessoas, e você não conseguirá transferir a ligação, pois seu colega está ocupado com outra chamada ou não está presente na sala.
Evite deixar as pessoas “penduradas” esperando, diga exatamente o que está acontecendo e sempre se lembre de que o tempo desperdiçado esperando ao telefone parece muito maior do que realmente é.
Caso a opção seja em deixar um recado, tenha o cuidado ao anotar e não se comprometa de que a outra pessoa ligará em poucos minutos, esta decisão não poderá ser sua, então:

    • Ao atender a chamada, proceda da mesma maneira já sugerida, identificando, etc...
    • Informe que você estará anotando o recado para ser transmitido à outra pessoa, isso fará com que o interlocutor se comunique de forma mais clara, resumida e lenta para que você possa anotar os detalhes importantes.
    • Ex. quer que eu anote o recado e transmita a ele (a)?
    • O senhor gostaria que eu procurasse outra pessoa que pudesse ajudá-lo (ou quem sabe você mesmo é esta pessoa?)
    • Solicite repetir algum número ou nome que tenha ficado em dúvida.
    • Ao final, leia suas anotações para confirmar se estão corretas. 
Mais algumas dicas de como praticar em sua empresa um telemarketing de qualidade. Bom proveito do material, e saibam, funciona mesmo. Tenho vários feedbacks positivos. 

Abraços  do Professor Carlos Alberto de Oliveira.

VAMOS CONHECER ALGUMAS DICAS DO TELEMARKETING? (Fazendo uma Ligação)



Telemarketing são todos aqueles contatos que uma empresa faz com seus clientes ou clientes em prospecção, através do telefone.

COMUNICAÇÃO EFICIENTE

AÇÕES BÁSICAS

Milhares e milhares de vezes, os telefones tocam nos escritórios do mundo todo. O que acontece após este toque é que terá maior ou menor importância.
Fundamental é sabermos que para cada uma destas ligações é necessário termos o máximo de atenção.
Então vejamos alguns questionamentos básicos:
  • Para quê foi feita a ligação?
  • Quais são as expectativas de quem ligou?
  • O que estamos tentando conseguir?
  • Que impressão devemos dar?
  • Como deveremos proceder durante a ligação?
  • O que deverá ter sido conseguido ao desligarmos o aparelho?


É importante que o usuário, incluindo os clientes, saibam que suas expectativas não só foram atendidas, como superadas.

Fazer Ligações

O primeiro passo é estarmos organizados para fazermos nossa ligação.


  • Quais chamadas faremos (estipular prioridades e necessidades)
  • Para quem faremos
  • Qual(is) o(s)  assunto(s)
  • Qual nosso objetivo ao término do contato

Então vamos lá:

    • Veja se o número está correto.
    • O horário é o mais adequado (fuso horário, almoço, muito cedo/tarde, custo).
    • Após ser atendido, faça uma saudação amistosa.
    • Identifique-se (nome e empresa ou nome / departamento / cargo).
    • Identifique se você está falando com a pessoa/empresa desejada.
    • Caso seja a telefonista, peça para falar com a pessoa desejada e repita seu nome e empresa. (tenha certeza de que ela entendeu corretamente, pois uma falha neste ponto poderá significar o não aceite do contato // ... não conheço ninguém com este nome ou dessa empresa....).
    • Ao ser atendido após a transferência da ligação, confirme se é realmente a pessoa com quem você deseja falar (pessoas de mesmo nome, outro departamento, etc).
    • Após confirmação de que é a pessoa com que você deseja falar, repita seu nome e empresa e diga qual o assunto a ser tratado.
    • Veja se a pessoa poderá lhe dar uns minutos de atenção para que você tenha certeza de que poderá tratar um assunto importante sem ser prejudicado (a pessoa poderá estar atendendo a outra ligação, estar em uma reunião ou com tarefas urgentes e não lhe dará a atenção necessária).
    • De tempos em tempos, repita os tópicos mais importantes para ter certeza de que ficaram claros.
    • Fale claramente, um pouco mais devagar do que o de costume.
    • Adote um tratamento apropriado.
    • Antes de falar sobre um tópico mais importante, diga o nome da pessoa, isso fará com que ela “desperte” antes de ouvir o que você tem a comunicar.
    • Antes de desligar, confirme os tópicos pendentes ou ações que deverão ser tomadas (ligará mais tarde com resposta, passará um fax, fará uma reunião pessoalmente,etc).
    • Agradeça pela atenção da outra pessoa e se despeça com uma saudação simples – Até logo (e não tchau).
    • Se for cliente, desligue por último, no caso de o mesmo ter outra idéia e não ter a sensação de que foi “despachado”.
            Estas são algumas dicas ensinadas nos treinamentos ministrados ao longo deste quatorze anos como consultor. O que peço, é que tente colocar em prática o ensinado aqui. Se quiser saber mais entre em contato conosco.

Abraços e obrigado!
Professor Carlos Alberto de Oliveira

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

O VENDEDOR DO ANO 3000 UM EXERCICIO DE FUTUROLOGIA


Como será e, principalmente, como agirá o vendedor do ano 3000?
Resolvi pensar nisso e, talvez, até brincar com essa idéia, colocando-a a sua disposição para uma análise (quem sabe até uma auto-análise).
Em primeiro lugar, temos de partir do princípio de que ele não será como nós, ou como alguns de nós. Ou seja:

1.   Ele não será desorganizado, até porque ele saberá usar todos os instrumentos e ferramentas de comunicação rápida que estiverem ao seu alcance, pois estará sempre evoluindo como “um profissional de informações”.

2.   Ele não será avesso a sua própria evolução cultural, e terá o saudável hábito de ler, pelo menos, o mínimo necessário para se manter atualizado permanentemente; em outras palavras, em vez de investir o seu tempo lendo o que aconteceu com o seu time, ele aproveitará esse tempo para se capacitar e ser mais feliz, pessoal e profissionalmente.

3.   Ele não será um oportunista barato, e, portanto, não viverá se aproveitando de momentos e de clientes desavisados. Por esse motivo, ele não viverá sempre em condições financeiras desfavoráveis.

4.   Ele não será um exacerbado individualista, que só pensa em si mesmo,e ,desta forma, terá competência para trabalhar em equipe, entendendo (e praticando) a sinergia como uma das suas mais importantes “armas” de ganho.

5.   Ele não viverá jogando a culpa dos seus fracassos nos outros ou nas coisas, e, por isso, assumirá sempre os seus erros, o que o levará a uma posição muito confortável profissionalmente falando, porque ele será capaz de se autocorrigir sempre, não precisando, para isso, de chefes ou de circunstâncias especiais para evoluir.

6.   Ele será transparente e ético em todas as suas ações pessoais e profissionais e, por isso, será sempre muito bem recebido por todos os seus clientes que, na prática, são os seus grandes parceiros, e não “inimigos” que precisam ser vencidos e derrotados.

7.   Ele não ira aos clientes apenas para vender ou tirar pedido, mas sim, para ajudar os seus clientes a terem lucros e benefícios reais com o que ele oferece, e, com isso, ele será sempre muito bem-vindo.

8.   Ele saberá que há profundas diferenças entre o ato de vender e a profissão de vender, e, por isso, saberá se auto-administrar e se preparar corretamente para o seu dia-a-dia, sabendo que o ato de vender é apenas uma pequena (e importante) parte de uma profissão muito mais complexa e realizadora.

9.   Ele não será vendedor apenas porque não tinha outra opção profissional, mas sim, porque escolheu e “curte” ser vendedor. Ele se sentirá maravilhosamente bem, todos os dias, vendendo porque sabe que o seu papel é importantíssimo para o funcionamento de toda a sociedade e, principalmente, para os seus clientes.

10.           Ele não competirá com outros vendedores, mas sim, consigo mesmo, pois sabe que não tem de vencer ninguém, a não ser os seus próprios limites. Por isso, não precisará se comparar a mais ninguém e também não aceitará que o comparem com quem quer que seja.

11.           Ele não entenderá que o seu trabalho termina quando faz um negócio com um cliente; ao contrário, ele sabe perfeitamente que o seu trabalho mais importante começa exatamente nesse momento e, por isso, pratica sistematicamente pré e pós-vendas com todos os seus clientes.

12.           Ele não entenderá que o papel dos seus clientes é apenas o de assinar um pedido e pagar o que comprou dele, mas sim, o de ajudá-los no seu trabalho de conquistar sempre novos clientes e novos mercados; ou seja, ele transforma os seus clientes nos seus melhores “vendedores”.

Aí está, meu amigo, minha visão de como será  o vendedor do futuro. Mas será que teremos de esperar até o ano 3000 para “ver” este profissional? É claro que não. Ele já existe há muito tempo. E sabe o que é melhor? Este profissional está sendo disputado, atualmente, a peso de ouro, por todas as empresas do mundo, pois ele “vale” muito e, conseqüentemente, ele...GANHA muito.Alias, faltou, no perfil acima, uma importantíssima qualidade que este vendedor tem: OTIMISMO. Sim, pois ele jamais deixará de acreditar em si mesmo e no seu sucesso pessoal e profissional, ou mesmo nos medíocres que o cercam e que, diante de qualquer dificuldade que encontram, já acham que nada vai dar certo e que nada irá funcionar.

Você conhece alguém assim?

Pois aqui vai um precioso conselho: fuja delas o mais rapidamente que puder, pois estes infelizes só vieram ao mundo para destruir a si mesmos e a todos que se aproximam deles. FUJA! RÁPIDO!